Atenção!A página impressa é diferente da página exibida na tela do computador.
Feito!
Erro!
Texto compartilhe nas redes sociais 2.PNG

Hospital de Trindade do Sul amplia atendimento com parceria do Governo do Estado

Voltar ↖Seguir ↘
« Última» PrimeiraPublicação:
ImprimirReportar erroTags:santi, necessidade, integral, efetuado, capacidade, instalada, usuário e compreende258 palavras4 min. para ler
Hospital de Trindade do Sul amplia atendimento com parceria do Governo do Estado
Clique para ampliar
A Administração Municipal de Trindade do Sul recebe com muita alegria a importante notícia que vem da Secretaria Estadual de Saúde a respeito do Hospital Santa Rosa de Lima. Depois de mais de um ano de reuniões, viagens, projetos e muito esforço do Executivo Municipal, juntamente com representantes dos municípios vizinhos, médicos e diretores do Hospital, enfim a primeira boa notícia conforme noticiado. 

A Secretaria Estadual da Saúde assinou contrato, na manhã desta quarta-feira (30), com o Hospital Aspiazu Filhas Cia. Ltda., de Trindade do Sul, para ampliar a execução de serviços de assistência médico-hospitalar na cidade. O contrato tem valor anual total de R$ 669,9 mil, a ser repassado em parcelas mensais de R$ 55,8 mil. O documento foi assinado pela secretária-adjunta da Saúde, Rosangela Dornelles, e o diretor da instituição, Freddy Aspiazu Velasco, no gabinete da SES.

Serão contemplados procedimentos especiais de Média e Alta Complexidade. O atendimento ambulatorial e hospitalar, que compreende a atenção integral, será efetuado de acordo com a capacidade instalada do hospital e a necessidade do usuário. A instituição possui 32 leitos, sendo 25 pelo SUS, nas áreas de cirurgia e clínica geral, unidade de isolamento, obstetrícia cirúrgica, pediatria clínica e psiquiatria. Freddy Velasco explicou que este incentivo irá qualificar o atendimento na urgência/emergência do hospital, que é referência para 49 municípios da região macro-norte. O diretor do hospital lembrou que hoje se tem o SUS, que dá atendimento para todos, o que não existia antes, quando só tinham acesso os trabalhadores que contribuíam para a assistência médica.

Texto: Assessoria SES

Heloise Santi

Compartilhar página nas rede sociais:
CompartilharCompartilharTweetarCompartilharPin it
 
Texto compartilhar.PNG